É a primeira palavra que surge na mente de um motorista quando um problema elétrico acontece: Fusível! De fato. Mas são Fusíveis, pois existem dezenas deles em um automóvel com poucos acessórios. Um fusível é um acessório elétrico de proteção. Ele está instalado no seu carro para interromper um possível curto. Assim ele protege todos os componentes elétricos do seu carro. Isso evita a queima de rádio e outros acessórios delicados e com um custo elevado. Se não existisse fusíveis no seu carro, um curto poderia até iniciar um  incêndio nele.

Como dito, os fusíveis são muitos e de diversas potências e formas. Sua invenção é antiga e revolucionou o sistema elétrico automotivo. Uma grande quantidade de acessórios elétricos pôde ser instalada, sem comprometer a integridade elétrica, por causa da proteção de fusíveis. Os carros passaram a ser uma extensão da casa do motorista. E esse avanço tecnológico continua até hoje.

Mas apesar do seu tamanho, sua importância merece alguns cuidados especiais para que eles cumpram integralmente sua função protetora. Saber detalhes do uso de fusíveis pode evitar danos e prejuízos. Nesse post veremos 10 dicas sobre os fusíveis de carro, também valendo para outros tipos de veículos.

10 dicas sobre fusíveis de carro

  • Os fusíveis têm um código de cores – no caso de veículos – que é uma norma no Brasil, mas também vista pelo mundo. Isso facilita a identificação se houver precisão de  troca, evitando a necessidade de um conhecimento técnico de amperagens, por exemplo. Cada cor significa uma determinada amperagem.
  • Nunca mude o fusível queimado por outro de cor diferente. Isso significa alterar todo o circuito protegido por ele.
  • Se o fusível novo queimar novamente, não insista com outro. Nesse caso existe um curto no acessório que ele protege (pode ser mais de um) e deve ser descoberto e corrigido.
  • Jamais mude a amperagem (cor) do fusível. Isso significa que ele tanto pode não suportar a carga do circuito, como ser muito forte, e nesse caso o curto pode espalhar pela fiação, pois o fusível não queima. 
  • Não troque fusíveis de lugar. Pode ser um tiro no pé, aumentando os possíveis defeitos do carro.
  • Um fusível não pode ser adaptado. Ou seja: ligar suas pontas com um pedaço de fio – algo bem comum entre leigos – é uma gambiarra inaceitável, mesmo no caso de uma emergência.
  • Alguns acessórios são imprescindíveis para dirigir um carro, como o limpador de para-brisas, por exemplo, em caso de chuva. O conselho é não dirigir o carro com um fusível queimado ou determinado acessório obrigatório que não funcione. Nem todos os defeitos elétricos implicam na simples troca de um fusível. Nesse caso – insistimos –  procure um profissional.
  • Em caso de emergência, muitos veículos possuem informações de forma simples na tampa da caixa desses fusíveis. Vale conferir antes. Dirigir informado é uma grande vantagem.
  • Fusíveis reservas. Isso é essencial. Os carros mais modernos possuem um lugar na caixa de fusíveis para os reservas. O local é bem identificado com a abreviação “RESERV” ou pelo manual do carro. Caso contrário, guarde alguns de várias cores em local visível.
  • Por fim, tenha o costume de ler o manual do seu carro. Nele encontramos todas as explicações sobre qual fusível é o queimado, o que ele protege e sua amperagem, além da cor. Se você não tem o manual em mãos, consulte na internet. Por ali encontramos quase todos os manuais de veículos nacionais. Até de carros antigos, como os que estão postados no nosso site.