Em tempos de transmissão de doenças contagiosas, devemos ficar atentos à higiene dentro do nosso carro. O grande problema da transmissão é quando ela se torna comunitária, ou seja: começa a contaminação de indivíduo para indivíduo dentro de uma determinada comunidade, sejam bairros, cidades ou um país. Não que a doença se torna mais grave, mas o número de infectados aumenta muito numa situação assim. Por isso, cada gesto de higiene que antes parecia um exagero passa a ser válido. O mesmo vale para o coronavírus e o nosso carro.

Basta lermos as recomendações das autoridades e dos médicos com relação a aglomeração que ocorre nos transportes públicos. Pode ser transmissão por algum tipo de contato humano ou por manuseio de muitas pessoas em objetos dentro do veículo, como alças, cadeiras e suportes para viajar em pé.

No caso do carro o risco é menor, mas existe. A boa notícia é que higienizar um carro é muito mais fácil e prático do que um ônibus ou metrô.

Coronavírus

Coronavírus e a contaminação pelo carro

O princípio de contaminação em um carro por um vírus é o mesmo de outros aparelhos de uso diário. O celular é um exemplo disso. Do que adianta limpar as mãos com álcool gel e em seguida manusear o celular há pouco usado? Temos que higienizar também o que tocamos. O mesmo acontece com um veículo.

Locais do carro mais contaminados

Um estudo diz que componentes manuseados de um carro podem ter mais de 600 tipos de bactérias, além de vírus. Como o coronavírus é altamente contagioso, fique atento aos acessórios listados abaixo, que devem ser higienizados.

  • Volante. É o principal, Nossas mãos passam a maior parte do tempo nele quando dirigimos. E outras pessoas também podem dirigir o mesmo carro, o que aumenta a chance de contágio.
  • Cambio de marchas. É outro local que deve ser esterilizado com  frequência. Os carros com câmbios manuais são obviamente mais manuseados do que os automáticos. Mas ambos devem ter a mesma atenção.
  • Maçanetas, internas e externas. Incluindo as do porta-malas e porta-luvas.
  • Cinto de segurança.
  • Todos os interruptores elétricos do carro, como os do vidro elétrico, chave de farol, seta, ar-condicionado, etc.
  • Ar-condicionado. Tem que estar sempre higienizado por profissional, filtro novo. Se não for possível, melhor não usar.

Mesmo que só você dirija o carro, lembre-se que isso pode mudar repentinamente: um familiar, uma emergência e até manobristas, oficinas, lava-jato e outros podem acabar usando o veículo. Por isso, é preciso sempre higienizar, tanto o carro, quanto suas mãos, ao sair dele. 

Como higienizar?

Use um desinfetante ou o álcool gel 70%. No painel, evite o álcool e use um pano úmido com detergente. Caso você seja motorista de aplicativo ou taxista, evite tossir ou espirar dentro do carro. Usar uma máscara pode ser muito útil, e lembre-se de sempre limpar as mãos antes e após o uso do veículo.

Temos que ter em mente que outras doenças também podem ser transmitidas dessa forma. Por exemplo, a tuberculose e outras gripes. Por isso, é muito importante manter seu carro sempre higienizado. A saúde de todos agradece!

Você precisa de um seguro de automóvel que seja bom, eficiente, mas que não custe os olhos da cara? O Mãos ao Auto tem uma parceria com a Smove, site que faz a comparação, em minutos, dos preços e coberturas das principais seguraduras e acha o melhor custo/benefício para seu carro. Para isso, basta clicar aqui e seguir o passo a passo.