Bateria de Gel

Temos recebidos pedidos para explicar a diferença entre baterias comuns e a Bateria de gel. Não sabemos se as baterias de gel serão equipamentos de fábricas do nossos automóveis. Mas percebemos algumas vantagens bem interessantes. Já falamos aqui da introdução da bateria selada, as famosas “baterias secas”, e a desconfiança que houve no mercado. Algumas explodiram e viraram boatos maldosos por todo o país. Mas a tecnologia venceu mais uma vez. Chamar uma bateria de “seca” tem um certo sentido, embora todas elas não sejam totalmente secas, com apenas componentes  mais sólidos no seu interior. O Termo “bateria Seca” seria mais por não precisar de manutenção.

Bateria de Gel

Mas fica claro na imagem acima, de alguns modelos de bateria de gel, que elas podem ser viradas, o que indica que não haverá vazamentos como aconteceria em uma bateria comum. Por que? Simplesmente porque elas contêm o “gel ácido” – “sílica associada a menor quantidade de ácido”- e não aquele ácido que precisa da companhia de água ou outras soluções mais líquidas. É por isso que as baterias antigas, ou que vazam, são conhecidas por “baterias úmidas”.

Continua após a publicidade..

Bateria de Gel

Outra vantagem evidente é que não haverá corrosão devido a menor quantidade de ácido presente nas baterias de gel. Mas ele pede uma carga diferenciada e que vem bem definida em seu manual de instruções. Quanto a duração, ela pode ser maior por ser uma bateria mais resistente, tanto por fora, como na sua composição química que é mais sólida.  O formato também possibilita a formação de “pirâmides” de baterias, o que aumentaria a capacidade/hora, ocupando bem menos espaço. Basta imaginar uma bateria de caminhão e o espaço que ela pede. Uma bateria de gel também tem sua pressão interna controlada por válvulas e portanto não emite gases nocivos a saúde, e, segundo a fábrica, funcionam até submersa em água. (uso náutico).

E o preço?

Essa parece ser a grande desvantagem em relação as baterias comuns. Preços pesquisados na internet podem chegar a mais de 2 mil reais – sem o frete – a peça de 75 A/hora, o que é um disparate, distanciando o uso dela pelas fábricas de automóveis.  Mas nossa distribuidora de baterias disponibiliza um preço final para o consumidor entre 1500 até 1800 reais, dependendo do tamanho. A justificativa da fábrica é que é um produto importado.

Boatos

Alguns comentários apareceram na mídia sobre uma possível proibição da bateria de gel pelo CONTRAN. Não encontramos essa informação confirmada. O que houve de fato foi a apreensão de baterias de gel que alimentavam equipamentos de telefonia, o que é um roubo. Estas sim, são proibidas. Não são encontradas no mercado de baterias automotivas e podem ser apreendidas pela polícia. Caso sério, diga-se.

Continua após a publicidade..

Bateria de Gel

Falar de bateria estacionária é algo que foge do assunto sobre automóveis, embora seja uma bateria parecida. Mas já observamos alguns carros usando bateria estacionária, algo feito por decisão do dono do carro. Uma loja de baterias não vende baterias estacionárias para veículos, mas para outras funções. Funciona em carros? Sim. É adequada? Nesse post vamos explicar as diferenças e possíveis defeitos que podem acontecer ao usar uma bateria estacionária em veículos.

Bateria estacionária – Para o que serve?

O próprio nome esclarece algo sobre o assunto. Uma bateria estacionaria foi fabricada para trabalhar fixa, sem se mover ou ser movida. É feita de chumbo/ácido, como as baterias comuns, mas fica o tempo todo ligada em uma fonte ou carregador de baterias. São usadas em acessórios estacionários, como nobreaks, alarmes, luz de emergência, etc. Recentemente os sistemas modernos de energia fotovoltaica (energia solar) usam bateria (s) estacionária (as).

bateria estacionária

Os terminais de uma bateria estacionária são diferentes de uma bateria de carro

Em uma bateria estacionária parte de seu componentes internos (eletrólitos) ficam cobertos por uma manta de fibra que protege a bateria de uma situação conhecida como ” estratificação do eletrólito” que destrói a bateria por dentro quando ela fica o tempo todo parada – ou estacionada. 

Continua após a publicidade..

Fica óbvio que uma bateria comum – sem essa proteção – está em constante movimento interno de sua solução. Isso acontece quando o carro se movimenta, misturando sua solução que contém eletrólitos líquidos. Ou seja: ela fica quimicamente homogênea ou misturada da forma correta, e por isso não se danifica.

Carga da bateria estacionária

Uma bateria de carro, ou outro veículo, precisa de carga rápida por ser usada por um curto período diário. Por isso um carro precisa ser ligado para manter a bateria carregada. Caso contrário, um carro que fica mais parado pode descarregar a bateria em poucos dias.

VEJA AQUI O QUE PODE DESCARREGAR SUA BATERIA!

No caso de uma bateria estacionária, a carga é constante, dia e noite. É assim porque elas precisam estar com 100% da sua carga para ser usada quase sempre em uma emergência. Uma bateria comum recebendo carga constante como essa vai estragar, ou sofrer uma sobrecarga, “secando” por dentro como dizem no mercado.

Podemos usar uma bateria estacionária em um carro?

É possível, mas não é aconselhável. Principalmente se for a bateria central ou principal do carro. Ela pode descarregar com mais facilidade para o momento da partida. Além disso, usa terminais diferenciados e também pode ter medidas diferentes de tamanho. Mas ela pode ser usada em separado, sem ligar no circuito do carro, para som, por exemplo. Lembrando que ela não é  de Gel que são baterias especializadas para sistemas de som.