Macaco elétrico. Uma verdadeira “mão na roda”!

Pois então seu pneu furou, e aquele macaco que você custou para encontrar no porta-mala do seu carro de repente se transformou em uma máquina alienígena, com seu funcionamento um tanto quanto indecifrável. Também pudera. Onde já se viu uma autoescola ensinar a trocar um pneu? Mas elas não tem culpa disso, visto que a lei não exige que o candidato a motorista saiba trocar um pneu. Pelo menos aqui no Brasil. Mas esse é outro assunto, para outro post da categoria “crítica”, construtiva, é obvio.

Como será que o macaco acima funciona?
Como será que este macaco de automóveis funciona?

E na imagem acima temos um dos macacos mais fáceis de usar. Como ele funciona não é o foco deste post, mas foi a partir desse modelo que alguém teve uma ideia de gênio e o transformou em uma macaco elétrico de fácil manuseio.

Macaco elétrico. Uma verdadeira “mão na roda”!

Basta ligá-lo ao acendedor de cigarro do seu carro, como fazemos com os GPS, e colocar o macaco no lugar correto, o que é a parte mais fácil ao se trocar um pneu, e apertar um comando que vem junto com o ele. Evidentemente que o restante do processo continua o mesmo, ou seja você deve aprender como trocar o pneu o do seu carro, como soltá-lo, como usar a chave de roda e cuidar do seu estepe.

Um dos vários modelos de macacos elétricos que encontramos no mercado.
Um dos vários modelos de macacos elétricos que encontramos no mercado.

Talvez a parte mais difícil ao trocar um pneu furado seja conhecer como funciona o macaco, pois envolve a parte mais importante do processo: sua segurança. Mas não basta apenas um equipamento como esse da foto, embora ele seja realmente uma “mão na roda” como ajuda. Um pouco de experiência é essencial, e, como dito no início do post, se não ensinaram quando aprendemos a dirigir, que tal aprender um pouco? Pedir ajuda a alguém que sabe é uma boa ideia e adquirir conhecimento neste mundo é sempre um degrau a mais, mesmo que seja aprender a trocar um pneu furado.

Please follow and like us:

This article has 1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *