Como escolher um bom mecânico!

Foto: carroonline.terra.com.br
Foto: carroonline.terra.com.br

Carro novo na mão, depois do entusiasmo por se tornar um motorista habilitado, a alegria continua, mas a preocupação aumenta. Por quem? Pelo carro e suas manutenções. Normalmente um motorista “antigo” relaxa na rotina de manutenção de seu carro por achar que ele pode rodar um pouco mais com pastilhas gastas, óleo um pouco além da quilometragem, pneus quase carecas, uma ou outra luz queimada que pode esperar. Mas quem trabalha com oficina, como nós, tem conhecimento do quanto isso pode causar arrependimentos  e queixas pelo infortúnio.

Multas, acidentes, e motores fundidos. Não são poucas situações como essas. Reflitam neste exemplo: recentemente um cliente nos visitou. Garoto, vinte e poucos anos motorista habilitado ainda com permissão. Pediu uma revisão de luzes queimadas, como as de freios e faróis. Algo louvável, de quem se preocupa com sua segurança e a de outros.

Com o carro a nossa frente, também verificamos o nível de óleo, pastilhas e outros. Todos esses itens estavam além da manutenção. Repassamos a situação para o dono que justificou com frases:  “ando pouco com o carro” “ou isso pode esperar”. Então perguntamos sobre a manutenção das coreias. Ele nada sabia. Recomendamos uma inspeção que também foi recusada. A explicação? “O carro é de pouco uso… Está meses parado…Tudo nele é novo…” Eis aí uma interessante resposta de motorista novo influenciado por um mais experiente, de carteira, diga-se.

Este vai vai um post com muitas “aspas”. Mas queremos repassar para o leitor a realidade do dia a dia de uma oficina séria.

Menos de um mês depois recebemos um pedido de “SOS” muito comum em oficinas. O carro citado acima havia parado e o motor fazia um barulho de “enceradeira”. Para quem é do ramo esses são sintomas de algo grave, um dano dentro do motor, sinal de prejuízo amargo para o dono.

De fato a correia dentada simplesmente se partiu pelo excesso de quilômetros rodados resultando em falta de sincronização do motor, e muitas válvulas empenadas. Solução final: retífica de motor.

correia dentada

Mas o que tem essa história com a escolha de um mecânico? Ora, toda compra que fazemos esperamos a sugestão do vendedor!Um roupa qualquer, um telefone e suas tecnologias. Mas com o nosso carro temos a tendência de achar que “estão querendo nos lesar”, que se aproveitam da falta de conhecimento do motorista.

Então escolha a oficina, não o mecânico. Um bom profissional vai ter uma oficina em dia, legalizada, organizada, com mais de um profissional e equipamento de ponta.  Com tanto dinheiro investido, o dono vai querer bons profissionais, pois é garantia de retorno financeiro. Uma boa oficina sempre tem movimento de outros clientes e suas referências “voam” pelo mercado. Então, se informe sobre isso.

Além do mais, sugestões de manutenção rotineira devem ser respondidas por você com um sim ou um não, pois é sua obrigação saber como está o estado, ou o período da última revisão. Ciente disso, sua opinião vai coincidir com a do mecânico e você saberá se esta sendo enganado ou não.

No exemplo acima o carro voltou para a mesma oficina e o que custaria 300 reais custou mais de 1000, fora o desperdício de tempo do dono; e nos dias de hoje até o tempo é medido por dinheiro.

Please follow and like us:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *